Buscar
  • Dr. Paulo Ladeira

Advogado de família explica quando se aplica o direito de acrescer nos testamentos

"O direito de acrescer realiza-se tanto entre coerdeiros como entre colegatários. Faltando um herdeiro testamentário, nomeado em disposição conjunta, sua parte aproveita aos outros herdeiros instituídos conjuntamente. Aos colegatários acrescerá, do mesmo modo, a porção do que faltar. Não se superpõem, entretanto, as regras. Verifica-se o direito de acrescentar entre coerdeiros quando estes, pela mesma disposição de um testamento, são conjuntamente chamados à herança em quinhões não determinados. Pode ocorrer, entretanto, que alguns herdeiros sejam chamados em quinhões determinados e outros, na mesma verba, sem distribuição de quotas. Nessa hipótese, o direito de acrescer tem cabimento apenas entre os últimos. Designado substituto, os outros coerdeiros não terão direito de recolher a quota vaga, pois a ele cabe recebê-la. Não havendo conjunção, transmite-se aos herdeiros legítimos a parte do nomeado. Não acresce, portanto, aos coerdeiros instituídos. Nula ou anulada a disposição, ocorre a devolução, igualmente, aos herdeiros legítimos. Aplica-se a mesma regra aos casos de caducidade da instituição, ou revogação do testamento. Verifica-se o direito de acrescer entre colegatários: a) quando nomeados conjuntamente a respeito de coisa única, determinada e certa; b) quando não se possa dividir o objeto legado, sem risco de se [desvalorizar]. No primeiro caso, há conjunção re et verbis; no outro, re tantum. Nos dois, não faz o testador distribuição de partes, mas, para se aplicar o direito de acrescer, é mister, no segundo caso, que a coisa seja indivisível ou não possa ser dividida sem dano. Note-se que se trata de conjunção real, isto é, resultante de verbas distintas. Determinada a quota de cada colegatário, não há direito de acrescer. O direito de acrescer na conjunção real só se admite entre colegatários. [Não pode o coerdeiro ou colegatário renunciar somente ao acréscimo que lhe caiba decorrente do direito de acrescer. Inexistindo renúncia parcial da herança, obrigado estará o beneficiado a renunciar, também, à herança ou ao legado que lhe foi deixado, abrindo-se uma exceção e permitindo o repúdio do acréscimo, exclusivamente no caso de este comportar encargos especiais impostos pelo testador, revertendo, então, o acréscimo para a pessoa a favor de quem os encargos foram instituídos]."


Fonte: Gomes, Orlando. Sucessões (pp. 131-132). Forense. Edição do Kindle.


A solução no seu caso concreto pode ser diferente. Contrate uma consulta com o Dr. Paulo Ladeira, advogado especialista em direito da família e sucessões - ou seja, advogado familiar - com atuação em São Paulo e São José dos Campos, formado na Universidade de São Paulo (USP) para esclarecer detalhes ou divergências nos entendimentos dos magistrados.

Posts recentes

Ver tudo

Quais contratos minha esposa precisa assinar comigo?

"Diante da relevância de certos negócios jurídicos na vida econômica do casal, estabelece o Código Civil restrições ao poder de administração e disposição dos cônjuges, mediante a exigência da outorga